Artigos > Alkíndar de Oliveira


Às vezes, é preciso deixar o bom senso de lado
Alkíndar de Oliveira

Existem duas maneiras principais de tornar possível o impossível. A primeira é ter bom senso. A segunda, acredite, é não utilizá-lo.

Se fizermos a seguinte pergunta: “Qual é a qualidade que poucos possuem, mas que todos julgam possuir?”, a resposta mais óbvia será: bom senso. Faça uma pesquisa. Pergunte a dez pessoas do seu relacionamento se elas julgam ter bom senso. Essa é uma das poucas questões da vida em que há unanimidade nas respostas. Todos os seus amigos, sem nenhuma exceção, irão dizer a você que são pessoas de bom senso. Mas, como você os conhece bem, concluirá que não é bem assim...

Se quiser continuar a pesquisa, faça a mesma pergunta a uma pessoa que você comprovadamente sabe que, se há uma qualidade que ela não tem, essa qualidade é o bom senso. Porém, essa pessoa totalmente desprovida de bom senso também dirá que a possui.

Mas, afinal, o que é uma pessoa de bom senso? É aquela pessoa ponderada. É aquela que, ao necessitar tomar uma decisão em relação a determinada questão, sabe ponderar, isto é, tem habilidade para segmentá-la e atribuir pesos adequados a cada parte da questão em análise.

Na análise de um problema, a pessoa de bom senso enxerga à sua frente uma pizza fatiada. Cada fatia representa um ângulo do problema a ser analisado. E, assim, a pessoa de bom senso valoriza cada um dos ângulos e toma a decisão mais conveniente, que, como qualquer decisão, certamente desagradará a uns e outros (algo que a pessoa de bom senso tem plena consciência, pois ela sabe respeitar e entender as diferenças individuais).

A pessoa de bom senso também tem consciência de que, uma vez tomada determinada decisão, terá que “trabalhar” os descontentes, pois, caso isso não seja feito, eles poderão influir negativamente no resultado da ação a ser executada.

Sabe a pessoa de bom senso que o descontente em relação a determinada decisão geralmente torce (muitas vezes de forma inconsciente até) para a ocorrência do insucesso.

Utilizar o bom senso é a primeira das duas principais maneiras de tornar possível o impossível. Agora, vamos à segunda e mais importante forma de, neste tempo de descontinuidade, conquistar o impossível: não utilizar o bom senso.

Não utilizar o bom senso? – Não é paradoxal fazer tal afirmação, uma vez que contraria o que afirmei logo no início deste artigo?

Acontece que não vivemos mais em um mundo em que as ocorrências seguem uma lógica linear. Conviver com paradoxos, agir muitas vezes de forma não-lógica (pelo menos considerando a lógica dos velhos tempos) devem ser características básicas do líder atual. O líder que sempre segue a corrente simplesmente faz o que todos fazem. E, quando uma empresa faz o que todas fazem, ela não inova. E quem não inova não consegue tornar possível o impossível.

Peço especial atenção para a afirmação a seguir: “Não utilizar o bom senso”.

Perceba que não escrevi “não ter bom senso”. Em vez de não ter bom senso, escrevi não utilizar o bom senso, o que é bem diferente. A pessoa de bom senso pode, por sua conveniência, não utilizá-lo às vezes.

A pessoa de bom senso precisa ter consciência de que assim como em muitos momentos basta utilizar o bom senso – como naqueles em que é necessário resolver problemas, inovar, tornar possível o impossível –, também existirão momentos outros – em número cada vez mais crescente – em que não utilizar o bom senso é a melhor saída. É aquele momento em que você se desprende das normas, ignora as regras, enfim, é o momento em que você contraria o bom senso, deixando-o de lado.

Tornar possível o impossível é conseqüência da inovação. E a inovação é fruto da criatividade que, por sua vez, manifesta-se mais facilmente quando utilizamos uma certa irreverência, isto é, quando nos libertamos de normas e regras. Por isso é importante deixar o bom senso de lado se quisermos criar um ambiente de certa irreverência, se quisermos tornar possível o impossível.

Mas, atenção: embora em muitos momentos possamos reprimir o bom senso para que a criatividade tenha espaço para aflorar e tornar possível o impossível, sempre devemos solicitá-lo quando precisamos colocar em ação as idéias inovadoras que nos ocorreram.

Alkíndar de Oliveira é consultor de empresas e fundador e professor da Escola de Líderes, da Escola de Vendas e da Escola Oratória. É autor dos livros Torne Possível O Impossível, em vias de ser editado e sobre o qual inspirou-se este artigo, e Viver Bem É Simples, Nós é Que Complicamos.