Artigos>Amílcar Del Chiaro Filho


A Linha Reta da Evolução
Amílcar Del Chiaro Filho

Allan Kardec, em toda a sua obra, procurou demonstrar que o Espiritismo nada tem a ver com o maravilhoso e o sobrenatural, e não guarda relação com nenhum tipo de superstição. Cada Centro Espírita tem a obrigação de esclarecer as pessoas que o procuram, que não existe na doutrina nenhum ritualismo, nem o milagre, nem o poder de talismãs, fetiches e amuletos.

O Espiritismo não tem relação com práticas africanistas ou indígenas, nem mesmo o orientalismo ou doutrinas iniciáticas, embora os espíritas devam respeitar todas elas.

Nem precisaríamos falar em benzeduras, banho de defesa, uso de bebidas alcóolicas, fumo, danças, adivinhações, quiropatia, leitura de cartas, búzios, curandeirismo. Não se utiliza, também, de cristais, reike, cromoterapia e afins. O Espiritismo não aceita o profissionalismo de médiuns, nem o profissionalismo religioso, pois, nele não sacerdotes, ministros ou pastores. Quem ler suas obras básicas compreenderá que o Espiritismo é um estudo científico e filosófico, que conduz o homem a uma esclarecida religiosidade.

A Doutrina Espírita procura despertar nas pessoas o ideal de superação das próprias inferioridades, e levar adiante uma vida honesta, criadora, feliz. O espírita compreende que a distância que o separa da felicidade, fica mais curta através de uma linha reta, daí o seu esforço para ter um caráter reto. Essa retidão leva-o a alcançar mais rapidamente a evolução.

O espírita não faz uma tentativa extemporânea de santidade ou angelitude, mas um esforço real constante de melhorar-se. O Espiritismo pede aos seus adeptos conduta honesta em todas as circunstâncias da vida. Ser honesto, bom, amigo , companheiro, é a meta que move o espírita para o alvo da perfeição.