Artigos>Amílcar Del Chiaro Filho


Adolescência
Amílcar Del Chiaro Filho

A Revista da Folha, de domingo dia 8 de abril, trouxe um interessante trabalho sobre adolescência, e as dificuldades dos que são diferentes, para permanecerem na turma, serem aceitos, e não serem discriminados, perseguidos, não raro, com crueldade, pelos demais.

A reencarnação é uma oportunidade preciosa de reconstruir a vida, no seu sentido paligenésico, e demanda sacrifícios e medos de fracassar novamente, ou de enveredar por caminhos ínvios.

Os jovens espíritas, a não ser quando já são espíritos marcadamente diferentes pela evolução alcançada, passam pelas mesmas dificuldades de adaptação, necessidade de afirmação e, não raro, fortes conflitos, ante o início da sua vida sexual.

Hoje, que existe uma maior liberalidade e até permisividade sexual, a batalha íntima é muito maior que a de gerações anteriores. Os rapazes ainda imberbes, e as mocinhas que mal passaram pela “menarca”, se vêem à frente da iniciação sexual, e são alvos das pilhérias dos mais avançadinhos, que já se consideram veteranos no assunto, mas nada sabem do amor verdadeiro.

Pior do que isso, porque mais cedo ou mais tarde, a maioria faz a sua iniciação feliz ou desastrada, é a questão das dependências: fumar ou beber, para ser aceito pela turma, ou ainda usar drogas ilícitas, que podem destruir a presente reencarnação.

Não tenhamos a ilusão que os jovens espíritas, atuantes nas chamadas “mocidades”, estejam isentos dessas dificuldades existenciais. A adolescência é quase um rito. É o início da Estação Verão, com a sua temperatura quente, as emoções a flor da pele, os desejos sopitando, e as lembranças de vidas passadas, quais reverberações soturnas na mente, a pedir novos caminhos de realizações.

Existem adolescências pacíficas, calmas, como a travessia de barco sobre as águas plácidas de um lago, mas há aquelas tempestuosas, cheias de dúvidas e de lágrimas, prenhe de medos, complexos, rebeldias.

O que fazer? Acreditamos que ainda é muito necessário diálogos francos, amistosos, porém firmes quando necessário. É preciso que os adultos partilhem o amor com esses jovens. É preciso colocar limites, fazê-los compreender que aqueles que agem cruelmente por causa das suas diferenças, estão escamoteando as próprias diferenças. Além disso é preciso que compreendam que todos somos diferentes uns dos outros.

Seja qual for a personalidade dos seus filhos, lembrem-se que eles são imortais e vieram de jornadas mais ou menos difíceis, e contam hoje com a sua mão firme no leme de sua vida. Ame-os, por mais estranhos que eles lhes pareçam.